PEZINHOS DE CINDERELA

Cuidado com os pés! Joanete, dez vezes mais comum em mulheres do que em homens, é a “vilã” do salto alto e bico fino. Tratamento corretivo é cirúrgico


  Os criadores de "Cinderela", no ano de 1729, não imaginaram o quanto influenciariam na moda dos calçados. Anteriormente escondidos pelos vestidões da época, surgiram com a cultura de que deveriam ser delicados, pequenos e justos. Ainda hoje, devido às tendências e ao fetiche masculino, os modelos de sapatos femininos mais usados são os de salto bem alto e bico fino.

   Em função disso, é importante saber que é nessa região que está localizado 1/4 da ossatura de todo o corpo, além de nervos e tendões. Usando um modelo de calçado como o descrito, os dedos ficam comprimidos e apertados, se contraindo ao produzir o passo, e aí surgem as dores, calosidades e deformidades, entre elas, a joanete. É dez vezes mais comum em mulheres e comumente exige tratamento. Ela é evidenciada quando o dedão apresenta um desvio lateral, além de uma grande massa avermelhada na face interna do pé podendo acontecer, posteriormente, o mesmo com os outros dedos. Há também indícios de que, em alguns casos, a joanete seja causada por um fator genético, mas, na sua maioria, o aparecimento se dá através do uso contínuo de calçados de saltos altos e ponteiras finas. Os homens também não escapam desse mal.

   O único recurso utilizado é o tratamento cirúrgico. Quando a correção é necessária (na existência de sintomas e raramente por fatores estéticos) a cirurgia deve ser específica para cada paciente, pois o joanete tem algumas variáveis que interferem no tratamento, como os sintomas existentes, a expectativa do paciente, sua idade, a gravidade da deformidade, a presença ou não de desgaste das articulações envolvidas, e a existência de queixas associadas, como deformidades nos outros dedos ou calosidades.  A remoção da joanete geralmente é feita com o paciente em sono profundo e livre de dor (anestesia geral) e raramente exige internação em hospital. É feita uma incisão nos ossos do dedão. A articulação e os ossos deformados são corrigidos e os ossos são estabilizados com pino ou gesso. O uso de aparelhos para melhorar o posicionamento dos dedos e palmilhas pode aliviar parcialmente e provisoriamente os sintomas, porém o seu uso não previne e não corrige a deformidade.

   Infelizmente, ainda não há um “casamento” perfeito entre estilo e conforto no mundo dos calçados. Portanto, pelo bem dos pés, vale preferir os que melhor se adaptam, sem causar dor: • Escolha o modelo que mais lhe agrada considerando que ele deve ter a ponta larga;• Prefira os que tenham a parte posterior, pois fixa melhor, evitando tropeços e torções; • Se for de salto, não ultrapassar três centímetros. Dê preferência aos tipos “Anabela”, pois distribuem melhor a pressão na planta do pé e aos “quadrados” ou “redondos”, que darão maior estabilidade à marcha, evitando quedas;  • Dê espaço entre a ponta dos dedos e o sapato, isso é preciso para que eles se desprendam do solo durante a marcha; • Troque os calçados diariamente, evitando lesões na pele; • Não acredite que o sapato irá lacear com o uso; ele deve estar confortável já na hora da compra.