.
  home    ortopedia    doenças  
.
      Doenças  
     
     
 
 
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
 
 Achilles tendinitis

  O tendão de Aquiles (tendão calcâneo) corre pela parte posterior da perna e conecta-se à panturrilha. Ele pode ficar inflamado devido ao uso excessivo e à falta de flexibilidade. Corredores jovens tendem a distender o tendão de Aquiles um pouco acima do calcanhar, mas à medida que o corredor fica mais velho, a tendinite costuma ocorrer mais para cima, onde o tendão se conecta à panturrilha. Um tendão de Aquiles inflamado fica sensível e rígido.

Causas
- A corrida tende a retesar a panturrilha. Quando o músculo fica muito tenso, ele não permite a biomecânica natural da corrida e o tendão de Aquiles fica distendido e inflamado. Correr em ladeiras muito inclinadas ou aumentar seu volume de treinamento muito rapidamente pode resultar em inflamação no tendão. Se você continuar correndo apesar da dor, a inflamação pode transformar-se em ruptura parcial do tendão. Eventualmente, parte do tendão irá morrer, e o tendão remanescente enfraquecido, poderá romper-se facilmente.



Prevenção - Uma vez que a musculatura rígida da panturrilha e um tendão de Aquiles rígido resultam em tendinite, é imperativo alongar esta região. Ao contrário da sabedoria popular, é melhor alongar depois da corrida, não antes. Desta forma, seu tendão está aquecido e receptivo a um alongamento lento e gradual. Nunca alongue até o ponto de sentir dor. Também considere o uso de um tênis firme da categoria "motion-control" para limitar a pronação e a movimentação da parte traseira do pé, e certifique-se que não há pressão ou atrito do tênis sobre o tendão de Aquiles. Elimine ou diminua o treinamento em ladeiras.









Torção no tornozelo

   Torções resultam em dor e inchaço causado pela ruptura ou estiramento dos ligamentos ao redor do tornozelo, geralmente no exterior da articulação. À medida que as rupturas saram, formam-se tecido cicatrizado, o qual encrava-se no tecido normal e causa inflamação e dor contínua. Sem o tratamento apropriado, a dor no tornozelo pode persistir por meses, até anos.

Causas
- Corredores costuma torcer o tornozelo ao pisar num buraco o tropeçar numa pedra ou na raiz de uma árvore.


Tratamento
- Assim que torcer o tornozelo, pare de correr.  Você pode não sentir dor imediatamente, mas seu tornozelo pode sofrer danos se der continuidade à corrida. Procure por médico ortopedista.


Prevenção
- Se você tiver tendência a torcer o tornozelo, evite trilhas com rochas ou terrenos irregulares. Use um tênis firme e com mais suporte para uma melhor estabilidade, e exercite-se para fortalecer a região do tornozelo.







Pé de atleta

   Essa infecção por fungos aparece abaixo no arco do pé ou entre os dedos, onde a umidade é maior. São produzidas lesões vermelhas que coçam. Por sorte, os fungos vivem nas camadas exteriores da pele e não invadem o seu organismo. Entretanto, coçar constantemente pode romper a pele e resultar numa infecção que poderá invadir seu organismo.

Causas
- Não sabemos por que uma pessoa pega os fungos e outra não, porém o pé de atleta é pego em lugares públicos molhados como vestiários e piscinas. Outra causa igualmente comum é vestir meias e calçados molhados e sujos, os quais são os melhores criadouros de fungos. 


Prevenção
- Use meias secas e limpas ao correr. Utilize cremes e sprays para manter seus pés secos. Use sandálias nas duchas ao lado das piscinas e em lugares públicos molhados.



















Unha preta

   Unha preta é causada por um bolha de sangue abaixo da unha. O acúmulo de sangue abaixo da unha a descolore e pode causar pressão e dor, porém, de modo geral, não dói. Na maioria dos casos a unha acaba caindo.

Causas
- A unha preta ocorre quando seu dedo se machuca por bater contra o tênis. Isso acontece se você fizer muito treinamento em ladeira, competir demais ou se o seu tênis é muito pequeno para o seu pé. Geralmente, corredores que tem o segundo dedo maior que o dedão são mais suscetíveis a ter a segunda unha machucada.


Prevenção
- A melhor forma de prevenir as unhas pretas é usar tênis de corrida que se encaixem adequadamente ao seu pé. A parte onde ficam os dedos deve ser larga o suficiente e o comprimento do tênis deve ser suficiente para que seus dedos não batam contra ele. Deve-se ter um pouco mais de um centímetro de espaço entre o final de seu dedo mais longo (não necessariamente o dedão) e o seu tênis. Meias anti-bolhas podem ajudar a prevenir a fricção. 

 

Bolhas:  

   Bolhas são a acumulação de fluidos entre as camadas interiores e exteriores da pele. Elas raramente são um problema sério, mas podem se infeccionar e forçar uma parada nos treinamentos se não forem tratadas apropriadamente.

Causas
- Fricção prolongada entre seu pé e a meia, e entre o seu pé e o tênis, resultam em bolhas.


Prevenção
- Se você é suscetível a bolhas, procure usar meias de duas camadas ou meias anti-bolhas para minimizar a fricção e umidade (meias feitas de fibras sintéticas respiráveis são boas para manter seu pé seco). Palmilhas de neoprene também podem reduzir a fricção. Mude de tênis de corrida gradualmente, e certifique-se de que está usando um tênis que se encaixa apropriadamente e que é correto do ponto de vista biomecânico, já que muito controle de movimento pode causar fricção. Um tênis de corrida muito apertado também irá causar considerável atrito.

 

Joanete

   Joanete é um crescimento ósseo no lado da base do dedão. A pressão do tênis e o movimento nesta articulação podem causar dor. Joanetes gradualmente ficam piores até o ponto que correr, e até caminhar, tornam-se atividades doloridas.

Causas
- Joanete é uma condição de artrite que pode ter como causa um defeito genético, problemas biomecânicos (super-pronação) ou calçados apertados.


Prevenção
- Assumindo que a condição não é herdada, a medida mais importante que você pode tomar é usar tênis de corrida que não sejam muito apertados na área frontal. Se a super-pronação for um problema, use tênis da categoria "montion-control".
















 

Esporão calcâneo

   Uma protuberância óssea atrás do calcanhar é chamada de esporão calcâneo. Mais freqüentemente relacionada a um arco do pé elevado, a proeminência óssea espreme-se contra a parte do calcanhar do tênis de corrida. Tanto o tendão como os tecidos moles podem ficar inflamados e doloridos quando isso acontece.

Causas
- Se você tem o arco do pé elevado, o osso do calcanhar (calcaneus) pode mudar de alinhamento, e isso causa um enlargamento do osso atrás do calcanhar. As vezes seu corpo criará uma bursa, que é um saco de fluidos que protege seu tendão e outros tecidos moles. Quando estiver usando o calçado, essa bursa se espremerá contra o tênis e causará dor.


Prevenção
- Se você tem o arco de pé elevado, use um tênis com bom amortecimento que não tenha a parte do calcanhar muito rígida.


 

Dedos encurvados

   Essa condição ocorre no segundo, terceiro ou quarto dedo. O dedo é encurvado ou contraído. O dedinho geralmente também é encurvado. Dedos encurvados não são doloridos em si; entretanto, eles roçam no tênis e a fricção e pressão podem criar uma calosidade (um acúmulo de decido duro e denso), a qual pode ser bem dolorida.

Causas
- Dedos encurvados resultam do desalinhamento do pé. Isto pode ser hereditário, mas geralmente a super-pronação faz com que os tendões do dedo sejam puxados a um ângulo estranho, encurvando o dedo. Gradualmente, o dedo se fixa na posição curvada. Uma calosidade de desenvolve para proteger a articulação onde há atrito contra o tênis. Esta condição pode ficar ainda pior com o uso de tênis que não se encaixa bem no pé e provoca atrito contra os dedos.  

Tratamento
- É melhor tratar o problema no estágio inicial, antes que o dedo se fixe na posição torta. Aparelhos ortopédicos ou suporte para o arco do pé podem corrigir o problema biomecânico que causa o encurvamento do dedo. Procure um médico Ortopedista

Prevenção
- Tênis da categoria "montion-control", assim como ortopédicos, reduzem a pronação excessiva. Certifique-se sempre de que seu tênis de corrida seja largo o suficiente na parte frontal para evitar o atrito e a formação de calosidade.

 

Unha encravada

   A unha encravada quase sempre ocorre no dedão e causa dor, assim como perigo de infecção onde ela encrava na pele. Se acontecer uma infecção, ela pode se espalhar pelo seu pé ou outras partes de seu corpo.

Causas - Unha encravada pode se resultado de uma série de fatores, indo desde tênis apertado até predisposição genética.

Prevenção - Corte suas unhas regularmente, especialmente a do dedão. Use tênis de corrida que seja largo o suficiente na parte frontal para evitar a pressão e atrito contra a unha do dedão.













Metatarsalgia

   Metatarsalgia resulta em dor na parte frontal do seu pé, na área dos ossos metatarsal - aqueles que se conectam aos seus dedos. Embora pareça que a dor é em toda a parte frontal do pé, geralmente é apenas sob um dos metatarsals. Você pode encontrá-lo apertando embaixo de cada  um dos metatarsals até encontrar aquele ponto que o faça pular de dor. Você também sentirá uma calosidade ali. Metatarsalgia pode lhe fazer sentir como se estivesse andando sobre uma pedrinha.

Causas
- Essa condição geralmente está associada a um problema de alinhamento dos metatarsals. Aquele que dói geralmente é mais baixo que os outros, o que causa pressão e dor. 


Prevenção
- Use tênis de corrida com bom amortecimento e sola macia. Palmilhas como Spenco ou Sorbothane podem ajudar.






























Neuromas

   Dor na parte frontal do pé entre o terceiro e quarto dedos, com perda de sensibilidade ou formigamento extendendo-se por esses dedos, quase sempre indica um neuroma. Um neuroma dói mais quando você está calçado e melhora quando tira o tênis e massageia seus pés. Neuromas ficam gradualmente mais doloridos.

Causas - Neuroma é causado por um ou mais nervos na parte frontal do pé pinçados ou irritados, geralmente como conseqüência de uma biomecânica ruim. Se você tem super-pronação, os ossos na parte frontal do pé - os metatarsals - ficam um pouco "soltos" e tem uma movimentação maior, a qual pode irritar os nervos que correm entre os metatarsals. Acompanhando a irritação há inflamação e dor. Se o neuroma é deixado sem tratamento, pode-se desenvolver um tecido cicatrizado em volta do nervo criando ainda mais dor.


Prevenção
- Já que a super-pronação geralmente é a culpada pelos neuromas, procure usar tênis firmes da categoria "motion-control" para limitar a pronação excessiva.



 

Plantar fasciitis

   Este é um dos problemas mais comuns nos pés dos corredores. Geralmente começa como uma dor leve ou sensibilidade na área da sola do pé próxima ao arco ou ao calcanhar. Gradualmente ela fica mais severa se localiza num local abaixo do calcanhar onde você sente como se tivesse uma pedrinha. Você sentirá que seu pé doerá mais cedo de manhã, mas melhorará a medida que se aquecer durante o dia. Você também notará dor depois da corrida.

Causas
- A fascia plantar é um tecido parecido com um ligamento que corre da parte frontal do pé, passando pelo arco do pé, até o osso do calcanhar. Se você tem pé chato, ou se move o pé em demasia quando corre (super-pronação), a fascia plantar fica tensa, com a maior parte do estresse ocorrendo próximo ao calcanhar.

Tratamento
- Você precisa, ou dar suporte ao arco do pé, ou diminuir a super-pronação, ou as duas coisas. Tênis de corrida com a sola mais firme geralmente irão ajudar, em especial os da categoria "motion-control", os quais reduzem a pronação. Ortopédicos ou suportes ao arco do pé geralmente são eficientes, já que eles podem dar o suporte extra que você necessita. Procure um médico Ortopedista

Prevenção
- Alongue seus músculos da panturrilha antes e depois da corrida. Se você correr com super-pronação, use um tênis firme da categoria "motion-control" para limitar a pronação.

 

  Neuroma de Morton

  É uma compressão nervosa localizada na região anterior do pé e quase sempre dolorosa.

Causas
- É ocasionado principalmente pelo aumento da pressão na região anterior do pé, secundária ao uso de calçado de salto alto e/ou bico fino ( que por diminuir a área de contato local aumenta a pressão local).

Tratamento
- Nos pacientes que têm dor há pouco tempo está indicado o tratamento conservador através da modificação do calçado e prescrição de medicação anti-inflamatória. Para aqueles pacientes que o tratamento conservador não foi efetivo ou que têm dor há muito tempo, o tratamento cirúrgico está habitualmente indicado.

Como é a cirurgia? A cirurgia é realizada ambulatorialmente (ou seja, sem a necessidade de internação) e sob sedação mais anestesia local. O neuroma de Morton é liberado ou ressecado, dependendo da gravidade de lesão que envolve o filete nervoso, através de uma pequena incisão (aproximadamente um centímetro) realizada em cima do pé.

Como é a reabilitação? O paciente está liberado para apoiar o pé operado no dia seguinte a cirurgia, mas sem exageros. As caminhadas devem limitar-se às necessidades básicas para diminuir o inchaço e dor do período pós-operatório imediato. O objetivo da cirurgia é eliminar a dor provocada pelo neuroma, mas algum grau de alteração da sensibilidade pode persistir após o procedimento.

 

Dedos em Garra

  É uma deformidade relativamente comum que envolve um ou mais dos dedos menores do pé. O segundo dedo é o mais frequentemente envolvido. Caracteristicamente o dedo fica encurvado e adquire uma calosidade na região dorsal provocada pelo atrito com o calçado. Em alguns casos pode desenvolver-se também calosidades na extremidade do artelho secundária ao atrito com o solo.

Causas - A deformidade é provocada principalmente por um desequilíbrio muscular relacionado, frequentemente ao uso de calçados inadequados e/ou a um traumatismo local.

Tratamento
- Inicialmente deve-se tentar acomodar a deformidade com o uso de calçados adequados, com a caixa anterior (região que acomoda os dedo do pé) alta. Se o tratamento conservador não leva ao alívio dos sintomas o tratamento cirúrgico pode ser indicado.

Como é a cirurgia para correção do dedo em garra? A cirurgia habitualmente envolve o realinhamento do artelho através de transferências tendinosas, associadas ou não à artroplastias( procedimentos ósseos que envolvem a remoção da extremidade da falange e reconstrução articular).

Como é o pós-operatório? O paciente é habitualmente liberado para caminhar no dia seguinte a cirurgia com um calçado aberto adequado. Habitualmente, um pino de metal, chamado de fio de Kirschner, que foi introduzido na cirurgia para assegurar o alinhamento do artelho, é removido com 2 a 4 semanas no consultório. A remoção deste pino é facilmente realizada no consultório e por provocar muito pouca dor, dispensa qualquer tipo de anestesia.

 



SE VOCÊ É DIABÉTICO, APRENDA A CUIDAR DOS SEUS PÉS

    Os problemas nos pés são a causa mais comum de internação hospitalar entre os pacientes com diabete mellitus. Estes pacientes podem ter dois problemas específicos com os pés: neuropatia (lesão nervosa) e angiopatia (lesão vascular).

   A neuropatia é responsável pela perda da sensibilidade nos pés, deformidade nos dedos, queda do arco e secura da pele. A associação destes fatores pode levar a úlcera e infecção, que por sua vez, podem levar a gangrena e amputação. A perda da circulação é mais difícil de tratar e às vezes a amputação é inevitável. Contudo, um adequado cuidado com os seus pés poderá evitar ou pelo menos prorrogar a necessidade de uma amputação.
Observe as dicas abaixo:

1. Lave os pés diariamente e seque com atenção, especialmente entre os dedos. Antes de banhá-los, teste a temperatura da água com a mão. Evite extremos de temperatura.

2. Se sua pele é muito seca aplique um creme hidratante superficialmente.

3. Inspecione em volta e entre os dedos todos os dias à procura de bolhas, cortes ou arranhões. Use um espelho para facilitar a visualização da sola do pé. Se a sua visão está prejudicada, peça a um familiar que ajude na inspeção.

4. O corte da suas unhas deve ser reto nos cantos, minimizando as chances de encravamentos.

5. Nunca caminhe descalço, sobretudo na beira da praia ou ao redor de piscinas.
6. Nunca corte ou use agentes químicos para remover calosidades. Procure orientação do seu médico.

7. Se você sente os seus pés frios à noite, use meias. Nunca use bolsas de água quente ou outro tipo de aquecedores locais.

8. Use meias apropriadas, nunca com dobras e preferentemente as que não têm costura. Dê preferência para as meias brancas para facilitar a identificação de sangramento ou outras lesões no pé.

9. Examine o interior do seu calçado sempre antes de vesti-los à procura de objetos. Nunca use calçado sem meia.

10. O calçado deve ser confortável no momento da compra. Não espere que ele se molde com o uso, pois isto poderá ocorrer à custas de bolhas ou outras lesões.

11. Visite seu médico regularmente e assegure que os seus pés sejam examinados em cada consulta.

12. Não fume. O cigarro piora ainda mais a circulação dos seus pés.

13. Procure seu médico sempre que no caso de cortes, unha encravada, micoses, dores ou inchaço nos pés
.

 
 



 
 
            
 
     
     
HomeProfissionalAprendaContato
 
     


http://www.wagnerfroes.eti.br